Arquivo para reflexões

Escolhendo um sistema…

Posted in ARTIGOS, CENÁRIOS, Recomendações, RPG, RPG, Vampiro - A Máscara with tags , , , , , , , , , , , on 27/12/2010 by Victor

GURPSAtaques inesperados de uma nave alienígena me impediram de estar aqui até agora, mas voltei!

Estou pensando em uma campanha e sempre a dúvida de qual sistema escolher. Ah sim, a idéia principal que criei pode ser transportada para qualquer sistema com pouco trabalho. Como ainda não a coloquei em prática, não a discutirei aqui, mas a idéia é discutir a flexibilidade de um sistema.

Como a idéia é sobre algo com um pouco de suspense em terror, elegi três principais sistemas que conheço para jogar: GURPS Space, Vampiro: A Máscara e Mundo das Trevas. E aí eu ouço a pergunta em coro: “GURPS? Qual a relação com os outros?”.  Resposta simples, GURPS é perfeito para qualquer coisa!

Mundo das Trevas, jogar com humanos é muito interessante, mas também o que pode fornecer a pior experiência para os jogadores. Então embora tenha cogitado ele, esquecido foi!

Vampiro: A MáscaraGURPS Space seria perfeito, um cenário que existem vários mundos e cada um pode se comportar de formas totalmente diferente. Problema que encontrei foi justamente a complexidade das regras de criação de personagem e desenvolvimento, principalmente para um grupo iniciante.

Vampiro: A Máscara foi o escolhido, além dos itens já citados, o sistema que eu mais conheço e tenho intimidade. Claro que isso facilita nas improvisações que irão acontecer no meio do jogo. Quanto mais confortável está com um sistema/cenário mais fácil é narrar livremente sem “medo” de errar. Outros pontos interessantes que me levaram a escolha deste foram o foco na interpretação e simplicidade das regras (que devo abolir na maioria!).

Mundo das TrevasE outros sistemas? Bom, Vampiro: O Réquiem eu não considerei por não ter terminado o livro. Mago: A Ascensão eu descartei por achar que não conseguiria atingir o grau de profundidade que eu queria! Lobisomem: O Apocalipse foi altamente cotado, mas me daria o triplo de trabalho, primeiro ajustar os conceitos de forma mais dramáticas e depois conhecer melhor o cenário. D&D eu até cogitei, mas o único que tenho é a terceira versão e minha história não se adequaria tão bem assim!

Claro que os critérios que usei se aplicam a história, experiência dos jogadores, minha experiência, simplicidade.

Começando a Narrar…

Posted in ARTIGOS, Recomendações, RPG, RPG with tags , , , , , , , on 25/11/2010 by Victor

Ah jovem cavaleiro que anda por estas aventuras, seria corajoso suficiente para encarar narrar uma partida? Sim acho que coragem é o fator decisivo, mas por quê?

Quando eu narro vampiro (e até alguns outros) eu sempre tive um problema: conhecer o território. Como vampiro usa um cenário similar ao nosso, se eu jogar em São Paulo (cidade que resido) com algum jogador que conheça vai me contrariar a cada 2 minutos! Em um cenário totalmente fantasioso criado por tu, qualquer coisa é irrefutável, mas quando usa de um livro ou baseado em um real… Como procuro cidades grandes eu já situo em algo tipo NY, onde meus jogadores não conhecem!

Outro ponto que pode dar uma dúvida é o fato de não saber as regras. Bom, sobre isto serei breve: E daí? As regras não são a base, lembre-se disto!

Financeiro, caro não é? Compre um mais barato, faça uma economia, peça de presente, use teu 13º…. Infelizmente como tudo em nosso país os livros são caros, mas só assim que poderemos manter as editoras publicando os livros. E ainda se já tiver um grupo você pode narrar um jogo que alguém já tem o livro.

Ter uma história, agora sim achou a base e a motivação.  Particularmente não gosto nem aconselho histórias criadas de cabo a rabo, muito trabalho e qualquer desvio dos personagens e toda ela pode ir por água abaixo. Gosto de criar acontecimentos que darão um caminho para a história, mas como eles são dispostos no jogo só descubro conforme tudo vai acontecendo. Gosto muito de improvisar também, quem disse que o futuro já está escrito?

Agora respeito entre todos é fundamental, até porque quem sentar como narrador tem a responsabilidade de manter todos os jogadores seguindo suas regras, poderíamos montar um ringue se os jogadores começassem a discutir todas as regras ou decisões do narrador!

Encare o novo, tente, valerá à pena! Na minha antiga mesa de jogo 85% dos jogadores também narravam!

Responsabilidade de narrar

Posted in ARTIGOS, Recomendações, RPG with tags , , , on 24/11/2010 by Victor

Cavaleiros que por aqui cavalgam corajosamente, o tempo é curto para um Primogênito! Mas aqui estou para dar umas dicas para vocês.

RPG é um dos mais diferentes jogos que pode encontrar e é importante entender isto. A maioria dos jogos que conheço consiste em ter regras bem definidas com pouca flexibilidade onde um jogador não altera drasticamente nada. Não estou consumindo sangue com drogas ilícitas!

Pense em um jogo de futebol, ter um cara que se acha o mais pode ser engraçado quando você der um chapeuzinho nele. Agora imagine este cara que se acha conduzindo uma história e tendo “poder” para alterar tudo ao bel prazer dele. Narradores com este estereótipos tendem a perder seus jogadores e a desestimular os jogadores menos experientes.

É uma situação delicada quando isto acontece. Para jogadores sem fortes vínculos com este narrador, cara, procura outro grupo e boa!

Agora você narrador, você mesmo, que se acha o cara, que quer ver os personagens sofrendo em tuas garras, que ri enquanto os jogadores choram a perda dos personagens, cai na real! Narrador é o responsável por propor uma história, tecer a trama e criar algum desafio (nem precisa ser uma guerra, alguns dos maiores desafios estão dentro de cada um). Lembre-se que todos querem se divertir e os narradores não são mais importantes que os outros jogadores, só estão assumindo papeis diferentes para aquela partida.

Sem desmerecer teus conhecimentos que foram adquiridos de várias horas lendo infinitos livros, este conhecimento só serve para enriquecer uma história e não para tirar os jogadores com menos conhecimento. Lembre-se o que o Tio Ben falou: “Grandes poderes trazem grandes responsabilidades!”

Sentimentos, tarefa árdua!

Posted in ARTIGOS, Recomendações, RPG with tags , , , , , on 15/11/2010 by Victor

Tenho certeza, cavaleiros de toda a galáxia, que em vários momentos da tua vida muitos sentimentos vieram a tona, agora difícil é colocar isto nos personagens.

Em uma sessão de RPG os jogadores têm dificuldades de interpretar sentimentos constrangedores, sendo muitas vezes frios e calculistas. A graça do jogo está em pensar e agir como os personagens deixando que estes sentimentos sejam expressivos.

Medo e amor são os mais difíceis em minha opinião. Um personagem não é uma casca vazia. Ter amigos e família faz parte de qualquer pessoa e isto deve ser levado em conta, assim como o carinho nutrido por eles e o empenho em protegê-los.

Medo também é importante. Nem todos demonstram, mas todos possuem. Sair atirando de forma destemida em meio a um tiroteio simplesmente para ser considerado um herói faz a interpretação perder o sentido!

Está é uma tarefa desafiante que talvez seja interessante para cavaleiros mais experientes. Agora se estiver começando e sente-se confortável com isto, vá em frente.

Jogos…

Posted in ARTIGOS, Dungeons & Dragons 4ª Ed., GURPS, Lobisomem - O Apocalipse, Mago - A Ascensão, Recomendações, RPG, RPG, Vampiro - A Máscara, Vampiro - O Réquiem with tags , , , , , , , , , , , , , on 14/11/2010 by Victor

LivrosEstava eu em minha profunda meditação nas plantações do planeta Enialside, quando algo me veio a mente. Vários artigos aqui falam sobre RPG, mas para os jovens cavaleiros que estão encarando esta aventura agora pouco foi falado sobre os jogos. Acompanhando os EpicKnights Cast você saberá em detalhes sobre os jogos, então pretendo dar apenas uma pinceladas sobre eles.

Existem vários jogos no mercado nacional e uma infinidade no mercado internacional. Estarei dando uma leve introdução de alguns deles que eu conheço, pois parto do meu conhecimento para descrevê-los e não tenho intenção de ser imparcial!

Cada jogo é composto por um livro básico que descreve as regras, a partir daí pode haver outros livros – considerados básicos ou não – para descrever cenários, monstros, criação de personagem, etc. Detalhes sobre O que é RPG vocês ouvirão em breve aqui.

E lá vão eles:

GURPS – Genérico. Um sistema de regras criado e flexível para ser usado em qualquer cenário. Livro um pouco chato de ler, mas sem dúvidas um jogo perfeito para campanhas de ficção cientifica.

Vampiro: A Máscara – O jogo pertencente do sistema Storyteller, com uma temática mais adulta voltada para terror onde você joga com um monstro vivendo noite após noite lutando contra a besta interior e temendo seus iguais. Sistemas de regras fraco, mas pouco importante.

Lobisomem: O Apocalipse – Segundo titulo do sistema Storyteller, aqui você joga com um lobisomem que pode assumir cinco formas distintas para combater o mal. A meu ver o mais difícil de ser narrado de forma mais aterrorizante.

Mago: A Ascensão – Terceiro titulo do sistema Storyteller. Um mundo cheio de regras impostos pela ignorância, aqui os humanos despertos conseguem alterar a “realidade” como desejado. Cenário complexo, mais complexo ainda manter o jogo com uma temática adulta onde se encara problemas ao invés de se divertir com poderes fantásticos!

D&D (Dungeons & Dragons) – Jogo de fantasia medieval. Aqui serão aventureiros como guerreiros, ladinos, magos, feiticeiros, bardos, etc desafiando vários monstros em jornadas heróicas.

Mundo das Trevas – Novas regras e cenário atualizado para jogar com criaturas sobrenaturais em jogos de terror. Carro chefe para o sistema Storytelling. Focado em interpretação trás títulos como: Vampiro: O Réquiem, Lobisomem: Os Destituídos e Mago: O Despertar.

Trevas – Jogo brasileiro desenvolvido para jogo de terror contemporâneo. Sejaum mago em um mundo onde anjos e demônios travam combates além da imaginação das pessoas comuns.

Paranóia – Jogo de comédia onde os humanos são liderados por um computador com um sistema de leis abusivas e incoerentes. Vale à pena jogar, mas no meu ponto de vista depende de um mestre habilidoso e competente na arte da comédia.

Se quiser uma opinião sobre algum jogo ou cenário, sintam-se confortável a perguntar a nós. Pode deixar um comentário aqui ou enviar um e-mail para: epkcast@gmail.com.

Espero ter ajudado aos aspirantes de cavaleiros a no mínimo direcionar as buscas.

Não sei jogar isto!!!

Posted in ARTIGOS, Recomendações, RPG with tags , , , , on 11/11/2010 by Victor

Esta é uma desculpa muito comum para aspirantes que tem contato com RPG a primeira vez. Convenhamos que não é porque não sabe, sabia andar quando nasceu? Ou dominava o computador antes de ver um? Então sim é uma desculpa!

Existem alguns preconceitos sobre RPG que afetam a maioria das pessoas – alguns que me lembro são: jogo de nerd, louco, coisa do demônio… – em diferentes escalas. Mas preconceito se perde quando se conhece e entende.

O maior fator que eu considero impeditivo é o medo. Sim! Medo de passar vergonha! Como tu precisa interpretar um personagem, há o medo de fazer errado, ter aqueles outros jogadores rindo descontrolados de tu!

Se estiver lendo isto e está com medo de encarar uma partida, relaxe que a maioria dos RPGistas são de uma natureza acolhedora. Não há vantagens em tirarmos sarro e traumatizar um iniciante.

Se tu já tens um grupo, receba bem os iniciantes ajudando-os. Com o tempo o RPG vai proporcionar boas risadas para todo mundo…

Ah, um detalhe que julgo muito importante para um jovem cavaleiro. RPG pode ser jogado de várias formas, caso não tenha gostado de um grupo, não desista e ache um que tenha mais afinidade.

Vivendo além do RPG…

Posted in ARTIGOS, Recomendações, RPG with tags , , , on 10/11/2010 by Victor

Caros cavaleiros, fácil vestir nossas armaduras e embarcar no desconhecido mundo imaginário! Mas este mundo guarda perigos inimagináveis para jovens iniciantes e desavisados! Há o perigo de querer sempre ir lá ignorando o nosso mundo!

Eu sei que isto não acontece com todo mundo, mas convenhamos que em alguns jogos passaríamos horas a fio jogando… É tentador deixar os problemas da vida real de lado e se empenhar em histórias épicas aonde as coisas que vão mal são desafiadoras.

Claro que o RPG é um entretenimento atraente e muito legal, assim como os jogos eletrônicos e um policiamento pode ser necessário para não virar dependente.

Estou longe de ser especialista nesta área para dizer o que é e o que não é saudável, mas fica minha dica: Aproveite os jogos, mas aproveite também as outras qualidades da vida!